sexta-feira

não deixes de recorrer ao meu corpo mesmo sendo apenas
um corpo que gostas de tocar. dou-te vontade e a avenida
24 de julho está vazia de gente séria e incapaz
de se apaixonar. o nosso tempo é curto e um dia
acabarei por morrer numa rua qualquer cheia
de esperma e de pessoas que me lamentavam
por ser uma mulher triste e vulgar. jamais terei uma data
marcada para casamento, conheço demasiado a força
dos maxilares e isso impede-me de ver o que se passa
à minha volta. reparo nas constelações porque acredito
que há um tempo que desaparece quando lhes entrego
os meus olhos. eles não sabem disso e apressam-se
a experimentar os meus ossos como se fosse um dever
ejacular e achar graça àquele instante. depois de tudo
alguns ainda ajeitam o cabelo e perguntam-me se tenho
onde dormir. talvez exista uma fragilidade no homem
capaz de transformar tudo o que se move a pouca luz ou
talvez seja a pouca luz a causa dessa fragilidade. nesta cidade
quase nunca cai granizo nos telhados e eu gostaria muito
de cantar como a billie holliday, não sei qual a razão,
mas sempre que chega mais um cliente penso nisto.

18 comentários:

I. disse...

Penso nisso. E nem assim. Pois não seria a perfeição de felicidade...

O que sabia mesmo bem, agora que andamos - assim a modos que, vá - louquinhos com a neve: era um pouco desta fresca e fofa para apertar nas mãos e atirar ao ar.

Mas eu não sei, sou uma virgem no que toca a neve, aqui no meu lado não há, hmpf. Faz de conta ;)

sophiarui disse...

desenharei na tua mão os mapas da cidade onde as ruas nos deixam ilesas... e depois tentas reaver os teus olhos de menina para poderes nevar...

beijinho bom no coração

:)

Zé-do-Telhado disse...

Adorei o que por aqui se escreve, vou começar a vir cá*

M. disse...

sempre forte

do forte bom

vi 2 rinocerontes disse...

Depois de ouvir, o prazer ...de poder ler.

Tão doce...


bj grande.

della-porther disse...

Olá querida

Tem um presente para você lá no Cidade Sitiada. Espero que gostes.

Um feliz Ano Novo.

beijos

della-porther

Continuo aqui nesta casa e neste canto sempre a encantar-me.

Master Of The Wind disse...

É sempre arrebatador ler as tuas palavras. A intensidade com que escreves sobre a paixão com que leio, cria um cenário de prazer nas linhas que meus olhos consomem

Susana Miguel disse...

i, aqui também não há a felicidade, quanto mais a perfeição desta;)mas bolinhas a cair do céu era muito bom:)

um beijinho.

Susana Miguel disse...

sophia rui,

e o que fica sempre por dizer por detrás das palavrinhas (...) eu sei que entendes e um beijinho especial por isso;)

Susana Miguel disse...

obrigada, zé-do-telhado.
vem sempre, um abraço.

Susana Miguel disse...

um beijinho, M.
um abraço forte para ti;)

Susana Miguel disse...

um beijinho, 2 rinocerontes.
um abraço pela amizade e pela força que me tens dado nos últimos tempos.
é bom saber-te por aqui:)

Susana Miguel disse...

della-porther,querida, já vim tarde para agradecer a surpresa lá no teu cantinho, mas gostei muito, muito. muito obrigada, é bom saber que faço parte das coisinhas boas que gostas de ler;)

um beijinho muito grande.

Susana Miguel disse...

obrigada, wind. ainda bem que há aqui um ventinho que te toca nos olhos;)

beijinho.

menina tóxica disse...

menina, estava para aqui a ouvir a not for sale das cocorosie e lembrei-me deste teu poema.
só para te dizer que já o li várias vezes e acho-o lindo lindo.

:)*

gabriela rocha martins disse...

tardou, mas arrecadou ( se possível ) a qualidade dos textos

magnificat ,princesa!



.
um beijo

Susana Miguel disse...

um beijinho, menina tóxica;)e eu repito que é muito bom ter-te por cá nesta casa-nossa.

Susana Miguel disse...

tu é que és uma princesa a vir aqui assim a deixar alegria-boa nos meus olhos;)

abraço grande.