sexta-feira

podemos conversar sobre as árvores que ainda existem na tua rua.
sobre os livros que esquecemos e de algumas pessoas que morreram
nos últimos anos. talvez ainda lembrar o sentido dos comboios e
a insignificância extraordinária que damos aos homens que obedecem às leis,
aos carteiros de bicicleta e mala a tiracolo de pele. eles não prescindem
dos factos e todas as cartas são entregues numa matemática quase perfeita
na convicção de que um esconderijo poderá demorar anos até
se tornar habitável por outros homens. podemos conversar sobre tudo
o que não é segredo. não poderemos voltar a falar de amor.

18 comentários:

liliana_lourenco disse...

Incrível a forma como este teu texto consegue dizer tudo. Nem se consegue dizer mais nada..

Está carinhosamente perfeito. :)

Beijinhos! :) **

dade amorim disse...

Um poema às vezes consegue dizer absolutamente tudo dizendo quase nada.

sophiarui disse...

e morreram muitas sim...

abraço bom

0.05 disse...

Gosto deste Janeiro...
obrigado pela visita
e
beijos
*

Natália Nunes disse...

eu prefiro o silêncio, a distância às palavras vazias de sentido, de peso, de fome.

beijo :)

Laura disse...

falar e escrever. sempre.

M. disse...

não sei se consegues. fluite o amor falado eescrito

Susana Miguel disse...

é difícil dizer esse tudo (como disseste) ou o quase-tudo (como prefiro dizer) e depois há ainda o quase-nada que fica por dizer. sinto que compreendes o que pretendo dizer (...)

um beijinho, liliana;)

Susana Miguel disse...

um beijinho, dade amorim;)

Susana Miguel disse...

mas existem as árvores.

um abracinho, sophia;)

Susana Miguel disse...

obrigada, 0.05, também gosto do janeiro; marca sempre o começo de algo;)

Susana Miguel disse...

um beijinho muito grande, natália;)

entendo o que dizes quando falas do silêncio e da distância. a distância tem um silêncio muito próprio.

Susana Miguel disse...

escrever, sempre. que escrever é também uma forma de falar:) um abraço, laura.

Susana Miguel disse...

muitos sorrisos e obrigada, M.
pequenas palavras que nos dizem tudo:)

Anónimo disse...

A tua maneira dócil de falar sobre a tristeza...

Sofia.

Susana Miguel disse...

espero que seja sempre assim e não o contrário;)

um beijinho e um doce, Sofia.

Luís Costa Pires disse...

Fantástico. Tens que colocar uma caixa para podermos seguir o teu blogue. Eu seguirei.

Susana Miguel disse...

obrigada pelas palavrinhas, Luís:)
Vem sempre!