domingo

há dias em que sou o alimento e o sumo doce da uva,
em que sei a largura dos ossos e a flexibilidade do arco.
às vezes, confundo a sombra dos objectos, a paisagem e os espelhos.
depois tento escrever sobre o pó e os símbolos que conheço e que não conheço.
há caligrafias internas e isso o que é (pergunto) e a noite e a metáfora e eu
apenas sei de vidros, da espuma nos talheres de que já te falei em 2007
e pouco mais. há dias em que respiro muito pouco, sabes.
é apenas o músculo que separa o tempo
e entre as coisas está, às vezes, a alegria de tudo.

25 comentários:

Laura disse...

Há dias em que lemos palavras que nos deixam a mente quieta.

João Rasteiro disse...

"é apenas o músculo que separa o tempo//e entre as coisas está, às vezes, a alegria de tudo." - e não será isso a poiésis, Susana?
Bjs.
joão rasteiro

Diva disse...

Mlle,
há dias em que uma palavra poderia mudar tudo mas esses dias nunca mais chegam.

Bisou

liliana_lourenco disse...

Palavras para quê?

Tu fazes-nos ficar em silêncio..

Beijinhos! **

Graça Pires disse...

"entre as coisas está, às vezes, a alegria de tudo."
Belíssimo poema!
Beijos.

sophiarui disse...

... :)

Susana Miguel disse...

há palavras que nos calam e há outras que nos mostram o silêncio. é bom haver palavras :)

um abraço, laura.

Susana Miguel disse...

há-de chegar o dia, diva:)
beijinho.

Susana Miguel disse...

liliana,

enches o coração do mundo com o tua alegria, a tua arte, o teu carinho e o teu olhar.

beijinho*

Susana Miguel disse...

um beijinho, graça.
essa foi a primeira frase que me surgiu ao iniciar este texto (...) acabou por ser a última:)

Susana Miguel disse...

...:) sei que compreendes.

beijinhos.

dade amorim disse...

Há dias assim, Susana, e há outros que exalam isolamento, quando se perde de vista a alegria de tudo.
Mas é preciso mesmo sutileza para nomeá-los.

Beijos.

Susana Miguel disse...

(...)

um beijinho,dade amorim.

dade amorim disse...

Susana, amanhã sai um poema seu no Poema-amigo, do Inscrições, "de mãos dadas" com o que escrevi. Espero que goste.

Beijos pra você.

Carol Timm disse...

Suzana,

Cheguei aqui através de uma amiga-poeta, Adelaide. Que bom!!

Muito bonita a sua casa de poesia.

Este surpreendente poema de alegria é um alento para corações cansados.

Beijos,
Carol

Lorenzo Monsanto disse...

Respira-se tão pouco nos dias em que não se é alimento ou sumo de qualquer fruto. Quando se está seco. Só isso, sem respirar...

Lara Amaral disse...

Tudo o que a Dade Amorim indica, eu vou atrás, e sou feliz por isso. Que lindíssimos seus textos. Um prazer vir parar aqui.

Grande abraço!

Susana Miguel disse...

dade amorim, um beijinho muito grande e obrigada. gostei muito, muito do
"de mãos dadas" que escreveu:)

Susana Miguel disse...

bem vinda a esta casinha, carol:)

Susana Miguel disse...

respira-se sempre um bocadinho, lorenzo. (prefiro pensar que sim)

um abraço.

Susana Miguel disse...

obrigada pelo comentário, lara. fico contente por ter seguido as indicações (sorrisos). a dade amorim tem sido uma leitora muito atenta e carinhosa e já faz parte desta casinha:)volte sempre!

um beijinho:)

0.05 disse...

*

Susana Miguel disse...

um pontinho assinala sempre algo.e há sempre algo nos nossos dias.
um abraço, 0.05.

nils disse...

É uma poeta muito consistente. Para mim, a sua é da melhor poesia que se pode ler na blogosfera. Ponderada, costuma custar a sair. Ainda bem que voltou. Já tinha saudades.

Susana Miguel disse...

obrigada pelas palavras, nils. nem sei o que responder às suas:) fui apanhada de surpresa e fico feliz. venha sempre matar saudades;)
um abraço.