quarta-feira





















os pés não tocavam o chão e eu gostava de ali ficar.
ao lado da fruteira e do cheiro fresco das maçãs
perto do cesto de costura
por cima do mármore branco onde aprendi o amor
pelas tuas mãos. uma agulha subia
a mesma agulha descia e era só ar que respirava
devagar. respirava os restos do tempo, o inverno a subir as paredes.
devagar. enquanto as portas morriam.
porque me ensinas a não chorar? houve um dia em que fingimos
a arrumação dos copos no vidro do armário.
em que foram nossos os dedos
nossos. e perdoaram de mãos dadas.
em que o meu sangue foi teu por dentro da noite.
os pés não tocavam o chão. existias tu
e eu
dançava com os braços alegres
era um ramo que crescia

sempre que cantavas.




Fotografia de Berenika.

31 comentários:

Y. disse...

sempre. mas sempre que aqui venho repouso....


neste espaço quase a ser "praia" sossego deserto ilha....

claridades.


é tão bom clikar e entrar neste "ramo".



beijos.


(e obrigada pelas visitas)

ao Piano...

Y. disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
david santos disse...

Olá!
Obrigado pelo sossego e pela imagem.
Parabéns.

bruno .b.c disse...

vou falar baixinho,
para que os pássaros
não fujam das árvores.
sinal perfeito: ler-te
tem de ser sempre re-
ler-te. e eu
releio, e ainda vou re-
gressar.

se lá chegar, um abraço no cimo
da escada.

Pedro Branco disse...

Vim aqui parar e foi muito bom. Sereno e bonito! Voltarei.

Aqui fica para ti, o meu último post:

"Não preciso de mais nada hoje.
Tenho as tuas palavras.
Para colorir um milhão de vezes...
o que eu quiser!"

Jorge Vicente disse...

fabuloso poema, aida. e a música a acompanhar é perfeita.

um beijo poético
Jorge Vicente

hfm disse...

Gostei da aparente simplicidade das palavras.

daniel sant'iago disse...

"...por cima do mármore branco onde aprendi o amor..."
E é tão difícil confessar tudo sob o manto da simplicidade...
Bastou-me este verso...
Obrigado!

aramis disse...

Gostei mesmo muito!

Aramis

gota de chuva disse...

Vim agradecer a visita, e encontrei um espaço cheio de beleza, sensibilidade e serenidade :)

Teresa Durães disse...

gostei bastante. desde o tempo que não vi penso que os poemas ainda estão mais belos. (não apareci por razões de saúde, apenas)

boa noite para ti

@Memorex disse...

Simplesmente fabuloso, cada verso lapidado de mestria e sensibilidade que só tu sabes mais ninguém.

Grata pelas tuas palavras no meu mundo silencioso :)

Também, escreves maravilhosamente.
Um beijo cheio de ternura!

Memorex.

gabriela r martins disse...

aprendi a dançar no embalo das tuas palavras doces ... mas prefiro.me parada ,no meio do salão ,imaginando o que ainda não escreveste

um beijo ,princesa!

o alquimista disse...

Embalada em doce melodia dançava com os braços alegres
era um ramo que crescia

sempre que cantavas.

No sublime...
Doce beijo

o alquimista disse...

E a lenda acontece. Em cada noite na Baía do Silêncio queda-se o céu na noite sombria, solta-se o sonho a fantasia...
Luminoso domingo...

Doce e terno beijo

@Memorex disse...

um texto renascido o belo azul, pequenino mas carregado de significado.

Vim, aqui e não tens poema novo lapidado, vim desejar-te um beijinho terno e afectuoso!

Memorex.

aidamonteiro disse...

Piano,

um abraço grande
e a claridade do sol nas nossas janelas.

aidamonteiro disse...

David Santos,

obrigada pela visita.
És bem vindo.
Um abraço.

aidamonteiro disse...

Bruno,

hoje,
olho-te no cimo da escada.
ouço-te os pássaros
baixinho.

aceno desta janela,
de vez em quando sorrio
quando me parece
que te vejo chegar.

aidamonteiro disse...

Pedro Branco,

obrigada pelas palavrinhas
e pela dedicatória:)

Um abraço grande
e sê bem vindo ao meu canto das cigarras!

aidamonteiro disse...

Jorge Vicente,

Um abraço poético
pelas palavrinhas:)

És bem vindo!

aidamonteiro disse...

Helena Monteiro,

um abraço pela visita
e pelo comentário:)

Volta sempre!

aidamonteiro disse...

Daniel,

:)

Bem vindo
ao meu cantinho.

Um abraço.

aidamonteiro disse...

Aramis,

Obrigada.

Volta Sempre!

um abraço:)

aidamonteiro disse...

Que bom é receber
uma gotinha de chuva fresquinha
aqui nesta casa:)

as cigarras gostaram
e mandam beijinhos.

aidamonteiro disse...

teresa,

Um beijinho grande
e que tudo corra pelo melhor.
Gostei de saber-te
por cá:)

aidamonteiro disse...

memorex,

um beijinho muito terno
no teu mundo
silencioso.

:)

aidamonteiro disse...

gabriela,

às vezes,
como se ainda fosse menina
lembro,imagino os sítios
onde morei:)

Um beijinho
uma flor
e a raiz que fica.

aidamonteiro disse...

alquimista,

:)

um beijo terno
pelas palavrinhas
e uma semana devagar
de luz brilhante nos olhos.

aidamonteiro disse...

memorex,

aqui estou novamente.
espero que as cigarras te tenham recebido bem na minha ausência:)


Um abraço
apertadinho.

inês leal, 31 anos à volta do sol disse...

e como a vida escorre por estas palavras...*