domingo

o homem demorava algum tempo
a apertar os botões todos da camisa. ele
queixava-se de uma página, a 57, agora relida
com urgência, dos pequenos detalhes do rosto
se lá tivessemos ficado a atirar objectos
para o fundo das arcas, se tivessemos compreendido
a textura nos olhos e a notícia. naquela casa
a mulher era mais rápida a sacudir as sombras
e a bater com força o tapete da rua
à janela. eu se os fechava e tinha medo
era porque imaginava o desequilíbrio de um prego
na parede. as avós encostadas e em fila
muito cansadas e à espera
pediam a deus o último suspiro
que ele viesse e as cegasse.

48 comentários:

Natália Nunes disse...

Eu sei que já disse isso mas preciso repetir: é bonito demais o modo como você escreve. Maneira esta que acabou por ser só sua.
:D

bruno .b.c disse...

fantástico, aida.
belíssimo, íssimo
(ainda) íssimo. muito
bom (mesmo). foi tudo
sublinhado, com uma
linha subtil, agora quase
nem imaginária.

abraço grande.

Graça Pires disse...

"naquela casa a mulher era mais rápida a sacudir as sombras". Gostei mesmo do poema. Um beijo.

menina limão disse...

adorei este poema, mesmo.

(e quanto à expo...já te pronunciaste via mail?)

menina tóxica disse...

bonito sim. muito.

:)*

Cometa 2000 disse...

brilhante.



"eu se os fechava e tinha medo
era porque imaginava o desequilíbrio de um prego
na parede" ............linda esta imagem que criaste.

Vanessa disse...

é este o poema que está na exposição, não é?

eu não saberia escolher um no meio de tantos tão bons, aqui... :)

parabéns.

*

menina limão disse...

vanessa, eu ia responder-te que não era este (nem poderia ser, por ser tão recente), mas a esta hora tu já sabes. ;)

blue disse...

muito bom, de faco, aida. um prazer, poder passar por aqui.

@Memorex disse...

Continuas a libertar lindas palavras nestes versos, dignos de serem lidos, dignos de nos aprofundar e pensar nos pormenores mais simples.

O canto das cigarras no entardecer fez-me lembrar o teu cantinho melodioso e ritmico de letras enamoradas vindo do teu coração tal como é para comigo, ouvir os SONS!

Obrigada pela presença constante no meu blog, e podes ter toda a certeza que um dia ouvirei a tua voz [intimamente na cóclea].

Beijos de mim e do Sun Melody, agora não sou uma mas duas - humana e máquina em simultâneo, ambos agarrados no mesmo objectivo e na mesma aprendizagem: a de OUVIR!!!

:)

Luiz Carlos Reis disse...

Aida!

Aquí escreve-se com ternura e... poéticamente bem!

Um beijo com flores para tua semana!

isabel disse...

... relida c urgência...se tivessemos compreendido... o desequilíbrio de um prego.... o último suspiro...

sempre profundas... as tuas palavras... sabes... arrisquei uma poesia... espreita no utopia... é a 1ª vez q exponho as minhas letras...

beijos doces... está a chegar o outono e sintra ... desfruta...

sophiarui disse...

aida, não me apetece falar... sabes, é que quando isso acontece parece q algo de Maior entrou em mim!

muito belo!

abracinho bom

gabriela r martins disse...

lindo demais
lindo de menos dito

.

soberbo

.

como só tu ,princesa Aïda!

.

que saudades de ( ti ) te ler

.

um beijo

lampâda mervelha disse...

Dei por mim numa outra esfera, de olhos perdidos num vago momento.

Numa casa que já fora branca
que já fora outra de alguém
a mesma de outros
que já não estão, talvez nem nunca tenham sido... talvez
faltava-me luz

hora tardia disse...

e agora? que vou eu dizer que não seja redundante??????????


na da.


antes de mim outros disseram mt melhor do que eu diria.

fica a minha admiração.

::::::::::::::::rendida!

como sempre.


beijo.


de um piano por enquanto calado.

Luiz Carlos Reis disse...

Aida!

Teu espaço é um canto de reflexão e calmaria.
Sim a tua poesia constante e inflada nos agrada e acolhe-nos como um manto.

Sinergia e sentimento únicos!

Abraço e boa semana!

Mateso disse...

Lindo o teu poema...
Bj.

un dress disse...

as cegasse.

antes da morte

ainda.



belO!

bruno .b.c disse...

pronto, aida. também
venho aqui em formato
de repetente. a gente
passa, e já foi há tanto
tempo que vieste aqui.
vá lá. fala com o tempo
e pergunta-lhe por um
(assim pequenino) onde
caiba mais um poema.

abraços pela casa.

St. J. disse...

Quando se abotoa uma camisa até ao fim, dá tempo para pensar nas páginas relidas. Mais depressa sacodem as mulheres tudo, até sombras...

Ás de Copas disse...

Pedacinhos de vivências...
Um beijo

gabriela r martins disse...

dá uma breve saltada ao canto.chão ,por favor ,peripécias da blogosfera ( ehehehehehe )

um beijo!

aida monteiro disse...

obrigada, natália.

repito sorrisos
e abraços:)

aida monteiro disse...

um abraço pelas palavras, graça.
o texto sorriu envergonhado
e eu sorri um bocadinho com ele:)

aida monteiro disse...

limãozinho,

thanks pela pressãozita
exercida:)

aida monteiro disse...

ups!que saltei uma janelinha:)

um abraço muito grande, bruno
(muito mesmo) a acentuar o outono,
as abaladas e os regressos.

aida monteiro disse...

menina tóxica,

abraços sim. muitos.
:)

aida monteiro disse...

obrigada, cometa 2000.

(...)

um abraço.

aida monteiro disse...

e eu que ao ler o comentário não percebi nada:) e eu que fui apanhada de surpresa!

oh! e eu que ainda não fui espreitar
as iustrações da menina limão:(

abracinho para ti, vanessa.

aida monteiro disse...

depois de ler, pensei:

agora sim! com este comentário

(gigantesca dica) algo se passa e eu ainda não sei?

menina, menina limão;)*

aida monteiro disse...

e eu gosto que passes, blue.
(gosto muito)

aida monteiro disse...

memorex
ou menina dos olhos brilhantes,

(...)

beijinho muito grande de alegria
por tudo estar a correr muito bem contigo! os 3 pontinhos são os outros todos "blá-blás" de felicidade que o meu coração não consegue dizer:)

aida monteiro disse...

luiz,

obrigada pelas palavras
e pelas flores.

um abraço
e boa semana:)

aida monteiro disse...

isabel,

gostei muito do teu espaço, das tuas palavras e dos teus "rabiscando". voltarei
para lhes dedicar mais do meu tempinho:)

abracinho grande
no teu caminhar.

aida monteiro disse...

sophiarui,

(...)

ficamos um bocadinho apenas
em silêncio (um abracinho bom).

aida monteiro disse...

um abraço para a princesa
e amiga gabriela. podemos dar as mãos e conversar até muito tarde?

:)

aida monteiro disse...

lampâda mervelha,

aqui, todas as luzes apontam
para o coração. é bom
receber-te nesta casa, é bom poder acender a luz
e ver quem chega:)

um abraço.

aida monteiro disse...

hora tardia,

um abraço por dentro
das horas tardias.

aida monteiro disse...

abraço, luiz.

:)

aida monteiro disse...

mateso,

bonita a tua janelinha:)
e que bem que sabe Amélia dos olhos doces
de Carlos Mendes.

um abraço.

aida monteiro disse...

um abraço grande, un-dress.

(...)

aida monteiro disse...

agora que regresso, bruno, esta casa está uma balburdia! são só abraços em correria pela casa. ainda agora estavam dois a tentar esconder-se entre as folhas de um livro,os malandros! queriam ficar para amanhã cedinho - disseram:)

gostei da forma como o disseste
vá lá. fala com o tempo
e pergunta-lhe por um
(assim pequenino) onde
caiba mais um poema
.

um beijinho.

aida monteiro disse...

st.j,

obrigada pela visita
e pelas palavrinhas.

abraço meu e das cigarras.

aida monteiro disse...

ás de copas,

(...)
colchinha de retalhos.

um abraço.

aida monteiro disse...

de vez em quando lá nos pregam uma partida:)


um beijinho, gabriela.

* disse...

eu nem sei que dizer. depois de te ler sinto que as minhas palavras saem todas muito desorientadas e muito tropegas, à espera de se encarreirar nesse caminho que tu desenhas, porque sinto que é o delas. gosto tanto.

angi

aida monteiro disse...

angi,

gostei tanto (beijinho).