segunda-feira

ao daniel,
de uma outra janela

a lata estava ali mesmo
à espera que o pedro corresse
um bocadinho e ganhasse coragem
para a chutar. não é preciso muita
força – gritava a susana – que observava
a agitação dos pés e dava umas dicas – mais
à direita, vai, vai, é agora, eh pá chuta na bola – dizia
o daniel do outro lado da rua. eu agora
lembro-o e não sei por quanto tempo
ficaremos assim parados. no rosto dele parecia
que as ruas não custavam a subir
mesmo quando dobrava e comprimia à pressa
a sebenta no bolso de trás das calças e
adiantava o passo, a respiração. embaciava-se o vidro
na janela do menino do 2.º esquerdo, mesmo ali
a olhar para nós e a contar o tempo que demoraria
o pai da teresa a acomodar a bagagem dentro
do automóvel.

32 comentários:

gabriela r martins disse...

como se necessário fosse tecer

comentário algum

princesa

o ritmo ficou.me na retina

do olho a beleza do texto

que mais dizer?

só algo a pedir

não leves tanto tempo sem publicar

exige

o bem escrever

um beijo

blue disse...

uma narrativa por quem se encontra à janela.

menina tóxica disse...

ando a reler as ondas da menina woolf, e ao ler este poema lembrei-me logo do início do livro, sobre a infância dos personagens... :)

(também há lá uma susan :)

bjo tóxico

Ás de Copas disse...

Janelas de cumplicidades onde o tempo escoa mas não afasta as recordações.
5 beijos de Copas

eyes shut & what's keeping you awake? disse...

ser-se menino de novo, pela primeira vez, para sempre.

____________________________*

* disse...

posso só deixar aqui sorrisos, não posso? apeteceu-me sair já de casa, e de calções e peúgas...

Mateso disse...

Um olhar em ritmo de vida.

della-porther disse...

vim desejar-lhe uma boa semana .

adorei os textos, já tinha saudade de vir aqui.

abraços

della

ana disse...

lembrei-me do jogo da lata, do lencinho, das escondidas...da macaca...recuei no tempo.

inBluesY disse...

recordei quando, de castigo estava, e o meu nariz colado ficava, assim tb a embaciar o vidro.

era giro pq fazia desenhos :)

lampâda mervelha disse...

Ainda a preto e branco...

Dalaila disse...

E este canto estava aqui mesmo, o meu farol escrita com plavras ao vento...
... e assim vi as latas da minha rua... há uns anitos atrás...

Graça Pires disse...

Ao ler- te, aqui, voltamos à meninice e estamos a ver a rua onde crescemos ou quisemos crescer.
Um beijo.

Anónimo disse...

como perdi as palavras...roubo as da Gabriela. sábias.


sempre.


beijo.

Vanessa disse...

Sempre que agora ouço esta música lembro-me de vir aqui... Saborear o Outono. :) *

Letras de Babel disse...

os tempos em que se está quase a deixar de estar junto...



beijos
______.

aida monteiro disse...

querida princesa,

e o que dizer? os meus braços
a receber-te. um beijinho.

aida monteiro disse...

blue,

janelinha sem retorno.
um abraço.

aida monteiro disse...

(... ) ai a saudade, a saudade.

vou aceitar a dica. o próximo livro a ler: as ondas da menina woolf:)

um beijinho, menina tóxica.

aida monteiro disse...

ás de copas,

é verdade (...) por muito que se fechem janelas, há sempre aquela claridade que fica.

cinco abracinhos
na forma do teu coração.

aida monteiro disse...

eyes shut & what's keeping you awake?

tentar, tentar, sempre a tentar não esquecer. é importante tentar não esquecer:)

abracinho.

aida monteiro disse...

*
podes deixar muitos
e leva alguns (muitos)
meus contigo:)abraços.

aida monteiro disse...

mateso,

(...) um abraço.

aida monteiro disse...

é bom receber-te, della-porther.

um abraço grande:)

aida monteiro disse...

do elástico, do limão-limão, da apanhada em que ficávamos como estátuas, da sirumba, dos fins de tarde na rua...

um beijinho.é bom partilhar, ana.

aida monteiro disse...

a menina era marota e ficava de castigo? eu também e desenhava um coração onde escrevia: aida love...(não fosse alguém bisbilhotar)

muitos sorrisos,inBluesY.

aida monteiro disse...

lampâda mervelha,

(...)
caminhos a branco e preto.
um abraço grande.

aida monteiro disse...

gosto de receber-te aqui, luzinha de farol.

abracinho,dalaila.

aida monteiro disse...

graça pires,

muitos sorrisos
e que o nosso coração não esqueça.


beijinho grande.

aida monteiro disse...

obrigada, anónimo.

um abraço.

aida monteiro disse...

e vem sempre, vanessa.

...uma dúzia de castanhas assadas?assim sim, seria perfeito o outono por aqui:)

abracinho.
(a música ficará por cá mais um tempinho)

aida monteiro disse...

Letras de Babel,

(...) abracinho grande em ti.